Cidades amigáveis para se mover com uma bicicleta

Já de um tempo pra cá, unindo a tendência sustentável e a de convivência com o meio ambiente, se observa um aumento do uso da bicicleta em detrimento aos carros, principalmente nas grandes cidades.

bicicleta

Mover-se com uma bicicleta é a tendência do momento. O auge deste meio de transporte barato, limpo e rápido é algo que chama a atenção no dia-a-dia de muitos centros urbanos. Abaixo, fizemos uma lista de algumas cidades próprias para o uso das bikes.

 

COPENHAGEM

Nos últimos 10 anos a capital dinamarquesa investiu mais de 130 milhões de euros em infraestrutura para ciclistas. Tem 16 novas pontes para ciclistas e pedestres. Oito dessas foram inauguradas nos últimos dois anos.

bicicleta copenhagem

 

AMSTERDÃ

Claro que não poderia ficar de fora da nossa lista essa cidade tão badalada por suas bicicletas circulando nas ruas. A cidade também é conhecida por ter mais bicicletas que carros, o que acarretava um problema: os ciclistas não tinham espaço onde estacionar seus veículos. Por isso a cidade está desenvolvendo um plano para construir mais 40 mil estacionamentos de bicicletas para até 2030.

bicicleta amsterdam

O sítio conseguiu integrar as duas rodas em todos os aspectos de seus moradores. Segundo recentes estatísticas, 75% de seus 750 mil habitantes tem uma bicicleta e 50% usam-a diariamente. Entre os méritos para esta implementação de sucesso, está uma estrutura dedicada e a facilitação do uso da bicicleta (em 90% da cidade conta-s ecom “bicisendas”), o desenho de zonas 30km/h e a vontade política que trabalha em impulsionar este transporte sustentável. Tem poucos lugares onde se disfrute do ciclismo urbano como em Amsterdam.

 

NOVA IORQUE

Isso que é claramente positivo, há algumas controversias. Por exemplo, para que o uso da bicicleta seja cômodo e aceitável nas cidades, deve existir uma rede de pistas para bicicletas, que o acompanhe, pois necessita-se que os usuários deste veículo se sintam seguros enquanto circulam enquanto circulam com as mesmas. A criação dessas proteções não foi bem vista por todos, sejam ciclistas, sejam os que possuem carros. Isto é, porque muitas vezes a criação do mesmo, sacrifica espaço para estacionar, circular com veículos motorizados e perde espaço para os pedestres caminharem.

bicicleta new york

Sem embargo, este só pode ser aceito se houver uma mudança de mentalidade por parte da população da cidade. O que podemos tirar por exemplo duas cidades muito distintas, como Nova Iorque e Sevilha.

Em Nova Iorque, ainda que as “pistas bici” diminuíram o espaço da circulação dos carros, esses se movem com maior velocidade. E não porque tenha-se diminuido quantitativamente os deslocamentos sobre quatro rodas, mas sim porque aumentaram os usuários de tranporte público e bicicleta. Tanto é assim que o serviço público de bicicletas em Nova Iorque teve uma grande aceitação e acolhimento, atraindo a mais de 75 mil usuários ao ano.

Assim, a solução não só está em um câmbio da trama urbana como também de mentalidade. Agora no centro já não há tanto estacionamento, pelo que é “uma lata” ir de carro e muito mais preferível usar o transporte público e/ou bicicleta. E intriscicamente, os que não abrir mão do carro, encontram que o número de estacionamentos está totalmente proporcional ao seu uso. Se mudou a mentalidade e todos saem ganhando.

 

SEVILHA

O outro exemplo que propusemos é muito mais próximo a praticamente todos nós, como é o caso da cidade de Sevilha. Ainda que não seja a melhor do mundo para uso da bicicleta (está é Amsterdã), é a quarta melhor do mundo e a primeira melhor espanhola na lista. A capital hispalense pode presumir de ocupar o quarto lugar no ranking de cidade mais amigável avaliado pela prestigiada revista online dinamarquesa, a Copenhagenize.eu, estando à frente de Berlin, Tokyo, Dúblin e outras mais.

bicicleta sevilla

Ainda assim, é certo que à princípio a construção da ciclovia criou certa controvérsia. É obrigatório ressaltar que nos dias de hoje se pode considerar tudo um êxito. O uso da bicicleta passou de 0,5% em 2006 para 7% na atualidade. Esse crescimento acontece por um outro crescimento, o da cidade. A criação de uma ciclovia que em seu primeiro ano alcançava 80km e que hoje em dia uns 120km, cuja ampliação aos 190km.De fato, isso tem se convertido em um exemplo a ser seguido no âmbito europeu e cidades como Londres se estão espelhando em Sevilha (mais que em outras cidades como Berlin ou Amsterdã), Em tempo de trazer um novo sistema urbano de ciclovias.

Ademais, contribuiu efetivamente para este aumento a criação de um sistema público de “aluguel” de bicicletas, o denominado “serviço” que permite o uso de bicicletas públicas por um fee geralmente mensal ou anual. Destamaneira, não se fez necessário ter uma bicicleta própria para poder utilizá-la pela cidade.

Igualmente a Nova Iorque, o que a princípio supostamente era um problema para o tráfego de veículos, se traduziu em uma diminuição dos automóveis circulando e um crescimento do fluxo de bicicletas.

Em efimarket.pt já há algum tempo comentamos a importância da mobilidade sustentável e o veículo elétrico como meios de transporte.

Share this Story

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>